Segunda-feira, 29 de Março de 2004

SOBRE O NEO-LIBERALISMO

capitalismo_banca22p[1].jpg

O traço mais marcante que o neo-liberalismo trouxe para a política foi comparar as sociedades às empresas, defendendo que a governação deve aparentar-se, o mais possível, com a gestão das empresas.

Se o liberalismo defendia a não intromissão da política na economia, não beliscando a santa liberdade do mercado, agora defende-se que o Estado deve deixar de ser Estado. Em nome de quê? Da eficiência. Porque, dizem, o Estado não sabe gerir.

Hoje, a primeira função de um Ministro da Saúde é privatizar hospitais. Um Presidente da Câmara moderno deve entregar os serviços camarários ao outsourcing. Já se ouvem uns zunzuns que também as Cadeias, as Polícias e os Tribunais para aí deviam caminhar.

Depois, em cúmulo, chegaremos à privatização do Governo e da Política. E os Gestores já andam para aí a movimentarem-se para definir as regras da grande política (lembramos todos o célebre “Compromisso Portugal” do Convento do Beato).

Destas artes, o Estado vai-se demitindo do sentido social e da sua função reguladora e equilibrante. Tudo passa a ser visto como custos, receitas e resultados. Exactamente no momento em que as Empresas transformam diariamente milhares de trabalhadores em excluídos.

Os grupos económicos depois de afastarem o Estado da regulação da economia, preparam-se agora para o tomarem como agência de novos contratos. Porque ele passou a ser visto como um mero elemento de mercado.

A social-democracia é cúmplice deste baquear da função social do Estado porque foi tomada de pânico e inacção perante a sua função fundamental de evitar que a “economia de mercado” se transforme em “mercado da economia”. É exactamente neste ponto que as populações quase não se apercebem da alternância direita-esquerda. Porque, nos seus históricos traços distintivos, a direita é direita e a esquerda é direita. Apenas, quando os há, temos uns pós de “sensibilidade” assistencial com os “mais desfavorecidos”. O que é pouco, ou quase nada, perante as suas responsabilidades.
publicado por João Tunes às 00:39
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. ESPANHA – GUERRA CIVIL

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (1...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (2...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (3...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (4...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (5...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (6...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (7...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (8...

.arquivos

. Setembro 2007

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds