Terça-feira, 25 de Maio de 2004

UM FANTASMA PARA UMA INUTILIDADE

fantasma.jpg

Um Congresso sem história nem sumo, precisava de um fantasma para que os congressistas não saíssem dali de mãos a abanar e deprimidos sob o peso da inutilidade de ali terem estado.

A responsabilização do PCP pelos problemas de segurança que venham a existir com o Euro 2004, coelho tirado da cartola por Durão Barroso, seria ridículo se não fosse indigente e gasto.

Primeiro, não passa pela cabeça de ninguém que o PCP tenha uma influência determinante no sindicalismo das forças de segurança. Não saber isto, é da mais cega sociologia.

(neste aspecto, Carvalhas bem pode agradecer a Durão o súbito e inesperado brinde promocional que lhe foi dado a partir de Oliveira de Azeméis)

Nas forças de segurança existem problemas antigos e que se arrastam, reivindicações não satisfeitas, promessas não cumpridas, imperícia negocial. A própria realidade do sindicalismo nas forças de segurança é recente e (parcialmente) alcançado após muitas e fortes resistências. É natural que, agora, duas borbulhas estejam cheias: o desejo dos sindicalistas em recuperarem tempo perdido, haver renitências em negociar com sindicalistas olhados de soslaio.

O facto de haver uma erupção de lutas reivindicativas com calendário apontado para o Euro 2004 era o mais previsível. Ninguém marca lutas ao lado da oportunidade de elas fazerem a máxima mossa. Seria o mesmo que esperar que os motoristas da Carris marcassem as suas greves entre as duas e as cinco da manhã para não perturbarem a vida dos utentes. As necessidades do Euro avulta o papel fundamental das forças de segurança, normal é que eles escolham este momento como ponto máximo de pressão.

Independentemente do que se possa pensar do momento de luta escolhido, os sindicalistas reivindicam e pedem negociações há muito tempo, dizendo claramente que não iam desperdiçar a melhor oportunidade de fazerem valer os seus direitos. O governo conhece as reivindicações e conhece os riscos de a luta se agudizar. Não negociou, devia negociar. Não pode é não negociar e depois chutar as culpas para outro lado. Assim, sujeita-se e sujeita-nos.

Arranjar um bode expiatório, através de um quadro fantamasgórico (o PCP a dominar e manobrar as polícias), é prova de inépcia transformada em fanfarronada. E nada original: há quanto tempo já não se ouve esta mesma música do “perigo comunista”. Ter ido buscar este disco gasto ao arsenal dos argumentos de impacto para dar “vida” a um congresso “morto”, lembrava a poucos. Lembrou a Durão. O homem está cansado.

Bem se sabe que a oposição do PS não incomoda uma mosca. Eles estão a ver a banda passar. Mas, até por isso, Durão bem escusava de se virar para onde se virou.
publicado por João Tunes às 13:16
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. ESPANHA – GUERRA CIVIL

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (1...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (2...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (3...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (4...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (5...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (6...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (7...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (8...

.arquivos

. Setembro 2007

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds