Sexta-feira, 23 de Julho de 2004

FICAM OS SONS

carlosparedes2.gif

Tenho, como outros tantos muitos mais, os sons da guitarra de Paredes dentro da alma. Não preciso de lhe ouvir o disco ou escutá-lo na rádio ou na televisão. A música de Paredes, os sons de Paredes, habitam em mim. É em grande medida por causa disso que nunca conseguiria deixar de ser português. Mesmo que o quisesse, porque os sons de Paredes não deixavam.

Durante anos, em Benfica, fui vizinho de bairro do Carlos Paredes. Habituei-me a vê-lo passar, sempre distraído, sempre desconjuntado no andar, sempre afável naquelas mãos enormes que se destacavam no corpo, sempre gentil e modesto de meter raiva. Cumprimentava-o em voz baixa e rápida, eu não queria incomodar os sons que eu imaginava estarem em jogo de combinação dentro daquela cabeça de homem bom e com talento transbordante. Ele respondia com um sorriso de menino, chamava-me de amigo, tentando não tropeçar com os pés num qualquer obstáculo porque toda a concentração e vida subia-lhe para a cabeça e para as mãos.

A notícia da sua perda física não me impressionou nem chocou, apenas me deixou uma nota especial de ternura para com este homem que deu som à qualidade de se ser português. Mais ainda que o fascismo, mais ainda que o desprezo que remeteu este homem, anos a mais, a desperdiçar-se a ganhar a vida a arquivar radiografias num hospital, enquanto ele não devia fazer mais nada que tocar, tocar, a vida foi cruel, demasiado cruel, para com este génio. Remetendo-o para a doença e para a inanidade, durante tantos anos, tirando movimento às suas mãos, a vida foi filha da puta para com Carlos Paredes. Não sei mesmo de que é que ela se quis vingar com o tanto mal sádico que lhe fez. Ele não merecia. A vida não mereceu Carlos Paredes. Finalmente, deixou-o em paz. E eu fiquei numa paz triste.

A vida não nos tira os sons de Paredes. Valha-nos isso. Assim, mesmo sem Paredes, com os sons de Paredes, podemos continua a viver.
publicado por João Tunes às 12:49
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Joo a 26 de Julho de 2004 às 22:04
Obrigado a todos pela partilha desta imensa perda e desta enorme permanência.


De Araponga a 23 de Julho de 2004 às 17:30
Genialidade, humildade, simplicidade... Um funcionário público que um dia disse: "Gosto demasiado da música para viver às custas dela..."
Obrigado!


De IO a 23 de Julho de 2004 às 17:26
Assino em baixo da Vitinha _ enquanto o ouço a tocar com Charlie Haden.


De Vitinha a 23 de Julho de 2004 às 16:34
Sem palavras, ficam os sons...e o HOMEM.


De Antonio Dias a 23 de Julho de 2004 às 15:31
Quando já não há nada para dizer, resta agradecer a obra que Carlos Paredes nos deixa, e o seu exemplo de homem bom. Exemplar.


De Joo a 23 de Julho de 2004 às 15:17
Obrigado pelo testemunho, Bela. Beijo amigo para ti.


De Ana Bela a 23 de Julho de 2004 às 14:59
É, finalmente a vida deixou-o em paz. Impressionava-me a forma como o génio que transportava se disfarçava na figura humilde de um administrativo perdido nos arquivos do hospital S. José. Via-o sp que lá ía ter com o meu pai, que o venerava e me dizia, sp que ele passava: Aquele homem merecia uma estátua! C.Paredes não tocava guitarra. Ele era A guitarra. A alma da guitarra. Já devia ter partido, para sossego dele, há uns quantos anos, porque, mais do que ninguém, merecia paz. Um abraço para ti João. Bela


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. ESPANHA – GUERRA CIVIL

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (1...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (2...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (3...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (4...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (5...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (6...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (7...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (8...

.arquivos

. Setembro 2007

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds