Terça-feira, 17 de Fevereiro de 2004

FADO AZNAR

db_Aznar[1].jpg

Caro Zé António e desculpa de te tratar assim que eu sei que vocês não se tratam por Zé mas sabes e se não sabes ficas a saber que a nossa figura popular da província de portugal é um tal zé povinho e desta maneira eu tratar-te por Zé é uma forma de te dizer que tu também és dos nossos da mesma maneira que os portugas são dos vossos e temos muita honra em sermos vizinhos mas não queremos que te zangues por causa disso e não há que ter complexos que é uma coisa que o meu psiquiatra me disse que só acontecia com os inseguros e nem eu nem tu somos essa coisa de complexados e inseguros muito menos e nem temos razões para isso tão bem que governamos tu aqui e eu lá no meu canto peninsular e tem mais que eu não te chamo só Zé e tenho muita honra em te chamar Zé António que é também nome de um grande herói vosso lá dos tempos da falange e a quem os comunistas limparam o sebo mas deixou grandes ideias para fazerem da Espanha uma grande nação e tão grande que tu nunca foste capaz da heresia de falar mal do franquismo e quem sai aos seus não degenera e além que se só te chamasse Zé e como eu sou zé podiam pensar que não estava a falar para ti mas sim para mim e podiam começar com bocas que estava a falar sozinho e aí sim o pacheco pereira que é um dos nossos profetas e se está a armar em parvo contra o meu aliado portas embora aquilo seja só teatro mas ele era bem capaz de querer dar nas vistas e mandar-me ir ao psiquiatra que é coisa que não preciso porque não sou nem complexado nem inseguro e assim amigo Zé António sabes que estou aqui por três motivos em que o primeiro é para te dizer que gosto muito de ti e da tua maneira de governar e assim até já te perdoei teres-te dado tão bem com o guterres mas hoje eu percebo que a geopolítica obriga a essas coisas e aquilo que nos sai da boca para fora raramente tem a ver com o que a gente sente e por falar em sentir o segundo motivo porque estou aqui caro Zé António é que cá o zé manel está agora afincado em aprender castelhano e preciso de praticar imenso pois é natural que daqui por mais uns anos o castelhano seja a língua peninsular e isso não tem mal nenhum e até é perfeitamente natural porque sabemos que todos os portugueses falam espanhol e os espanhóis não conseguem falar o português e se os portugueses não falarem espanhol como é que nos havemos de entender e quanto ao terceiro motivo é para te dizer caro Zé António que podes contar connosco para o que der e vier porque nós somos aliados fiéis e valentes e se vocês andarem à trolha seja com quem for nem que seja com os bascos ou os catalães ou os galegos contem connosco e com as nossas forças armadas para enfrentar esses estrangeiros porque em caso de conflito estamos sempre ao lado dos espanhóis que o mesmo é dizer ao lado dos castelhanos e se te der na mona a ti ou ao teu sucessor para tomarem conta de gibraltar eu mando o meu aliado portas entregar-te a nossa marinha e depois fazemos uma nova invencível armada que corre com os ingleses de lá enquanto o vosso rei esfrega um olho porque se os ingleses também são nossos aliados eles só são aliados tradicionais e tu és um aliado natural que é bem melhor e a prova disso é eu dizer-te já aqui que se precisares de água tu não te acanhes e gasta à vontade e faz os transvases que quiseres porque vocês não têm culpa nenhuma que os nossos rios nasçam em Espanha e venham desaguar na nossa província e a um aliado natural não se recusa a água seja ela com gás ou sem gás mas só te peço meu caro Zé António que não te venha à ideia de te meteres com os américas porque aí e só aí tu ias ter que entender o meu pragmatismo de quem pratica o chauvinismo de pequena potência que me diz que entre o aliado mais forte e o aliado natural devemos escolher o que tem mais dinheiro e mais armas que isto até não é novidade pois foi assim que o mao ganhou a grande marcha dizendo dos russos que eles praticavam o chauvinismo de grande potência e essa é que estava errada porque quem deve ser chauvinista são os pequenos e não os grandes e disto sei eu pois enquanto tú eras pequenino e cantavas o cara al sol eu já andava à pera com os comunas na faculdade de direito e a militar no mrpp que foi criado para que o comunismo nunca dominasse a província de portugal e que era mais ou menos o que o outro Zé António da falange também queria e se vocês sabem do vosso saudoso Zé António já quanto a mao sabemos nós que até temos um ditado que diz mao maria que é uma maneira castiça de dizermos que estamos zangados mas descansa que zangado contigo é que eu nunca estarei a menos que te dê a maluca e armares-te aos cucos com os americanos mas nessa não cais tu que és esperto que nem um ajillo e falas muito bem embora custe a perceber o que dizes com essa tua mania castiça de só falares a mexer o lábio de baixo para não escangalhares a pose do bigode agarrado ao lábio de cima o que só te dá graça meu caro Zé António e meu querido amigo e aliado e podes estar certo do apoio deste teu zé manel que é alcaide da província de portugal.
publicado por João Tunes às 11:20
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. ESPANHA – GUERRA CIVIL

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (1...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (2...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (3...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (4...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (5...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (6...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (7...

. ESPANHA – GUERRA CIVIL (8...

.arquivos

. Setembro 2007

. Novembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds